sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Os que querem e os que não querem Juca Ferreira no Ministério da Cultura


Segundo blog de Galeno Amorim, o pessoal do teatro e muitos produtores culturais, batem o pé contra a permanência de Juca na Cultura. Mas na área do livro e leitura não deve haver nenhuma reação contrária a ele. Somente aqueles que reclamam que ele comandou o fechamento da Secretaria Nacional do Livro e Leitura (após a morte do poeta Waly Salomão) e não traduz em ações suas falas em favor do livro. A principal crítica é que em 4 anos não tirou do papel o projeto para criar o Fundo Pró-Leitura, que ainda dorme nas gavetas do MinC.No Palácio, porém, nada disso é problema: o único receio do presidente Lula é colocar no lugar de Gil um nome sem a mesma dimensão nacional. E que, ainda por cima, tem a fama de trombar com todo mundo.
O fato é que Juca se aproximou muito de Dilma Rousseff. Já tinha feito o mesmo quando o ministro era Zé Dirceu, ou seja, é pragmático ou tem bom faro para encontrar o poder. Juca é filiado ao PV, é sociólogo e foi presidente da UBES em 68. Desde 66, era militante do PCB (um pouco da trajetória de Juca neste período pode ser acessada em http://www.emilianojose.com.br). Se exilou no Chile, Suécia e França. Foi Secretário de Meio Ambiente e duas vereador em Salvador. Também participou dos programas de arte-educação do Projeto Axé. Foi vice-presidente da Fundação Onda Azul, criada por Gilberto Gil.

Um comentário:

Angel Tostes disse...

É difícil aceitar que alguém que não valorize o livro, seja um bom Ministro da Cultura...