domingo, 13 de abril de 2014

"Occupy tinha razão: o capitalismo não tem como funcionar" (Thomas Piketty)

Ocuppy estava certo: o capitalismo está falhando

Um dos slogans da ocupação protestos 2011 era "o capitalismo não está funcionando". Agora, em um inovador livro, o economista francês Thomas Piketty explica porque eles estavam certos
Piketty
Economista francês Thomas Piketty, autor de Capital no Século XXI. "Eu não sou político." Foto: Ed Alcock para o Observer
A Escola de Economia de Paris é, na verdade, situada na parte mais não-parisiense da cidade. Na avenida Jourdan na extremidade inferior do 14 º arrondissement, limitado de um lado pelo Parque Montsouris. Diferentemente da maioria dos parques franceses, há uma clara falta de ordem gaulês aqui; de fato, os lagos, espaços abertos, e os seus patos poderiam estar em um parque em qualquer cidade britânica. O campus da Escola de Economia de Paris, no entanto, parece inequivocamente uma universidade francesa. Ou seja, ele é cinza, sem graça e os corredores cheiram repolho. Este é o lugar onde entrevistei o Professor Thomas Piketty, um jovem francês modesto (ele está em seus primeiros 40 anos), que passou a maior parte de sua carreira em arquivos e coleta de dados, mas está prestes a emergir como o pensador mais importante de sua geração - como o Hacker Yale acadêmico Jacob colocou, um pensador livre e democrata que é nada menos que uma "Alexis de Tocqueville para o século 21".
  1. Capital do Século XXI
  2. por Thomas Piketty, Arthur Goldhammer
Tudo em função de seu mais recente livro: Capital no século XXI .Um livro enorme, mais de 700 páginas, denso com notas de rodapé, gráficos e fórmulas matemáticas. À primeira vista, é descaradamente um tomo acadêmico e parece tanto assustador como incompreensível. Nas últimas semanas e meses, o livro tem, no entanto desencadeou debates ferozes nos Estados Unidos sobre a dinâmica do capitalismo. Em blogs não-especializadas e sites em toda a América, ele despertou discussões sobre o poder e o dinheiro, questionando o mito central da vida americana - que o capitalismo melhora a qualidade de vida para todos. Isto simplesmente não é assim, diz Piketty.
O pioneirismo do livro foi reconhecido por um longo ensaio recente no New Yorker em que Branko Milanovic, ex-economista sênior do Banco Mundial, que destacou o livro de Piketty como um divisor de águas no pensamento econômico.  Na mesma linha, um escritor na Economist informou que o trabalho de Piketty fundamentalmente reescreveram 200 anos de pensamento econômico sobre a desigualdade. Em suma, os argumentos têm-se centrado em dois pólos: o primeiro é uma tradição que começa com Karl Marx, que acreditava que o capitalismo se auto-destruiria. No extremo oposto do espectro é o trabalho de Simon Kuznets, que ganhou um prêmio Nobel em 1971 e que sustentou que a desigualdade decresceria inevitavelmente na medida em que as economias se desenvolvem e se tornam sofisticados.
Piketty diz que nenhum desses argumentos se comprovaram. O significado singular de seu livro é que ele prova "cientificamente" que a intuição dos manifestantes do Occupy estava correta. 
"Eu fiz deliberadamente um livro para o leitor em geral", diz Piketty quando começamos nossa conversa ", e, embora seja, obviamente, um livro que pode ser lido por especialistas também, eu queria deixar isto claro para todos aqueles que desejam lê-lo." 
E de fato Capital no Século XXI é surpreendentemente legível. Ele está repleto de histórias e referências literárias que iluminam a narrativa. Então eu perguntei-lhe a pergunta mais óbvia que pude: o que é a grande ideia por trás deste livro?
"Comecei com uma pesquisa a partir de um problema simples", diz ele no elegante Inglês com sotaque francês. "Comecei a me perguntar a alguns anos atrás, onde estavam os dados que poderiam comprovar todas as teorias sobre a desigualdade, a partir de Marx para David Ricardo (o economista Inglês do século 19 e defensor do livre comércio) e pensadores mais contemporâneos. Comecei com a Grã-Bretanha e na América e eu descobri que não havia muito a todos. E então eu descobri que os dados contradiziam quase todas as teorias, incluindo Marx e Ricardo. Comecei a olhar para outros países e vi um padrão que começa a emergir: o capital, e o dinheiro que ele produz, se acumula mais rapidamente do que o crescimento das sociedades. E este padrão tornou-se ainda mais predominante desde os anos 1980 quando os controles sobre o capital foram suspensos em muitos países ricos. "
Assim, a tese de Piketty, apoiado por sua extensa pesquisa, é que a desigualdade financeira no século 21 está em ascensão, e acelerando em um ritmo muito perigoso. Por um lado, isso muda a nossa forma de olhar para o passado. Nós já sabíamos que o fim do capitalismo previsto por Marx nunca aconteceu - e que mesmo na época da Revolução Russa de 1917, os salários de todo o resto da Europa já estavam em ascensão. Sabíamos também que a Rússia era assim mesmo o país mais subdesenvolvido na Europa e foi por esta razão que o comunismo criou raízes lá. Piketty passa a salientar, no entanto, que somente as crises do século 20 - principalmente duas guerras mundiais - impediu o crescimento constante de riqueza, temporariamente e artificialmente nivelamento desigualdade. Ao contrário do que nossa percepção percebido do século 20 como uma época em que a desigualdade foi erodido, em termos reais, foi sempre em ascensão.
No século 21, este não é apenas o caso dos chamados países "ricos" - Estados Unidos, Reino Unido e Europa ocidental -, mas também na Rússia, China e outros países que estão emergindo de uma fase de desenvolvimento. O perigo real é que, se este processo não for contido, a pobreza vai aumentar no mesmo ritmo e, Piketty argumenta, pode transformar o século 21 num século de maior desigualdade e, portanto, maior discórdia social, que a do século 19 .
Ele explica suas idéias com fórmulas e teoremas que soam um pouco técnicas demais (eu sou alguém que lutou com a matemática). Mas, ouvindo atentamente Piketty (ele é claramente um bom e paciente professor) tudo começou a fazer sentido. Para este novato, ele explica que a renda é um fluxo - ele se move e pode crescer e mudar. O capital é um estoque - a sua riqueza vem do que foi acumulado "em todos os anos anteriores combinados". É um pouco como a hipoteca de uma casa: se você nunca se torna dono de sua casa, você nunca vai ter todo o estoque e sempre será pobre.
Protestos estudantis contra aumentos da taxa de matrícula em 2010.. Protestos estudantis em 2010 Piketty diz: "É um exemplo perfeito de como a infligir dívida no setor público." Foto: Dominic Lipinski / PA
Em outras palavras, em termos globais, o que ele está dizendo é que aqueles que têm o capital e os ativos que geram riqueza (como um príncipe saudita) serão sempre mais ricos do que os empresários que estão tentando fazer capital. A tendência do capitalismo neste modelo é concentrar mais e mais riqueza nas mãos de cada vez menos pessoas. Mas já não sabemos disso? Os ricos ficam ricos e os mais pobres ficam mais pobres? Clash e outros não cantaram isso na década de 1970?
"Bem, na verdade, não sabiamos disso, apesar de que poderíamos ter imaginado", diz Piketty, aquecendo a seu tema. "Por um lado esta é a primeira vez que temos acumulado dados que provam que este é o caso. Em segundo lugar, embora eu não seja um político, é óbvio que este movimento, que está se acelerando, terá implicações políticas. Vamos ser mais pobres no futuro em todos os sentidos e isso criará crises. Tenho provado que nas atuais circunstâncias o capitalismo simplesmente não pode funcionar. "
Curiosamente, Piketty diz que ele é um anglófilo e de fato começou a sua carreira de investigação com um estudo do sistema de Inglês do imposto de renda ("um dos dispositivos políticos mais importantes da história"). Mas ele também diz que o Inglês tem muita fé cega nos mercados que eles nem sempre entendem. Discutimos a atual crise nas universidades britânicas. Muitos afirmam que estão sem dinheiro porque o governo calculou mal o que os alunos teriam que pagar e é agora incapaz de garantir que os empréstimos distribuídos serão reembolsados. Em outras palavras, o governo não podia controlar todas as variáveis ​​do mercado e parece pronto para perder espetacularmente. Ele ri: "Este é um exemplo perfeito de como a infligir a dívida para o setor público extraordinário e completamente impossível de imaginar, na França.".
Capital do Século XXI é construído a partir de uma infinidade de referências francesas (o historiador François Furet é fundamental), e Piketty declara que ele entende o cenário político francês melhor de todos. Ele foi criado em Clichy, em um bairro de classe operária e, principalmente, seus pais eram ambos membros militantes da Lutte Ouvrière (Luta Operária) - um partido trotskista incondicional que tem ainda um significativo número de seguidores na França. Como muitos de sua geração, desapontado com o fracasso de quase-revolução de maio de 68, eles decidiram criar cabras na Aude (isso foi uma trajetória clássica para muitos babacools - hippies de esquerda - desta geração). O jovem Piketty trabalhou duro na escola, no entanto, estudou em Paris e terminou seu PhD na Escola de Economia de Londres, aos 22 anos. Ele, então, mudou-se para Massachusetts Institute of Technology, onde era um prodígio notável, antes de se mudar de volta a Paris, para finalmente tornar-se diretor da escola onde agora estamos sentados.
François HollandePiketty defende um imposto sobre a fortuna, mas admite que fazer os ricos pagarem mais vai ser difícil, como François Hollande percebeu. Fotografia: Philippe Wojazer / Reuters
Seu próprio itinerário político começou, ele me diz, com a queda do Muro de Berlim, em 1989. Ele partiu para viajar por toda a Europa de Leste e ficou fascinado com os destroços do comunismo. Foi este fascínio inicial que o levou para uma carreira como economista. A Guerra do Golfo, de 1991, também o influenciou. "Eu podia ver, então, que tantas más decisões foram tomadas por políticos, porque não entendem de economia. Eu não sou político.  Mas eu ficaria feliz se os políticos pudessem ler meu trabalho e tirar algumas conclusões a partir dele . "
Afirmação um pouco hipócrita. Piketty chegou a trabalhar como assessor de Ségolène Royal em 2007, quando ela era candidato socialista nas eleições presidenciais. Este não foi um período feliz. É justo, depois de toda situação obscura que envolveu a trajetória pessoal de Ségolène, que Piketty queira se distanciar do cotidiano ásperoda política real.
Mas não importa. O que aprendemos? O capitalismo é ruim. E qual seria a resposta? Socialismo? "Não é tão simples assim", diz ele, desapontando este ex-marxista adolescente. "O que eu defendo é um imposto progressivo, um imposto global, baseado na tributação da propriedade privada. Esta é a única solução civilizada. As outras soluções são, penso eu, mais bárbaras 
-.Com isso quero dizer o sistema oligarca da Rússia , que eu não acredito, e inflação, que é realmente apenas um imposto sobre os pobres." 
Ele explica que a oligarquia, particularmente no atual modelo russo, é simplesmente a regra dos muito ricos sobre a maioria. Isto é tão tirânico quanto uma forma de banditismo. Ele acrescenta que os muito ricos não costumam ser feridos pela inflação - com seus acréscimos patrimoniais que ocorrem de qualquer maneira - mas os pobres sofrem o pior de tudo, com um aumento do custo de vida. Um imposto progressivo sobre a riqueza é a única solução sensata.
Mas sustentei que nenhum partido político na Grã-Bretanha ou nos Estados Unidos, de esquerda ou direita, se atreveria a ir às urnas com tais idéias idealistas. O atual governo de François Hollande não é desprezado por causa de seus pecadilhos sexuais do presidente (ao contrário, estes são praticamente amplamente admirado), mas por causa do regime de tributação punitiva ele tem procurado impor.
"Isso é verdade", diz ele. "É claro que é verdade. Mas também é verdade, como eu e os meus colegas têm demonstrado neste livro, que a situação atual não pode ser sustentada por muito tempo. Isso não é necessariamente uma visão apocalíptica. Fiz um diagnóstico da situações passadas e presentes e eu acho que há soluções. Mas, antes de chegar a eles, devemos entender a situação. Quando comecei a coleta de dados fiquei realmente surpreso com o que encontrei, que revelava que a desigualdade está crescendo tão rápido e que o capitalismo não pode, aparentemente, resolvê-la. Eu queria entender como a riqueza, ou super-riqueza, está trabalhando para aumentar a desigualdade. E o que eu encontrei, como eu disse antes, é que a velocidade com que a desigualdade está crescendo está ficando cada vez mais rápida. Você tem que perguntar o que isso significa para as pessoas comuns, que não são bilionárias e que nunca serão bilionárias. Bem, eu acho que isso significa uma deterioração do bem-estar econômico coletivo, ou seja, a degradação do setor público. Você só tem que olhar para o que a administração de Obama quer fazer - que é a corroer as desigualdades na área da saúde e assim por diante - e o quão difícil é conseguir. Existe uma crença fundamentalista dos capitalistas que o capital vai salvar o mundo, e ele simplesmente não vai. Não por causa do que disse Marx sobre as contradições do capitalismo, porque, como eu descobri, o capital é um fim em si ".
Piketty oferece este discurso, erudito e poderoso, com uma paixão silenciosa. Ele possui, pode-se imaginar, um caráter relativamente modesto e discreto, mas ele ama o seu assunto e é de fato um prazer encontrar-se no meio de um seminário privado sobre dinheiro e como ele funciona. Seu livro é, de fato, longo e complicado, mas quem vive no mundo capitalista pode entender os seus argumentos sobre a forma como ele funciona. Um dos mais penetrantes destes é o que ele tem a dizer sobre a ascensão de gestores, ou "super-gestores", que não produzem riqueza, mas que derivam de um salário dele. Isso, argumenta ele, é efetivamente uma forma de roubo - mas isso não é o pior crime dos super-gestores. Mais prejudicial é a maneira que eles se fixaram em concorrência com os bilionários cuja riqueza, acelerando para além da economia, sempre estarão fora do alcance.Isso cria um jogo permanente de catch-up, cujas vítimas são os "perdedores", que é dizer que as pessoas comuns que não aspiram a esse status ou riquezas. Neste capítulo, Piketty efetivamente destrói uma das grandes mentiras do século 21 - que super-gestores merecem o seu dinheiro, porque, como jogadores de futebol, eles têm habilidades especializadas que pertencem a uma elite quase sobre-humana.
"Uma das grandes forças divisionistas no trabalho hoje", diz ele, "é o que eu chamo o extremismo meritocrática. Este é o conflito entre bilionários, cuja renda vem de bens móveis e imóveis, como um príncipe da Arábia Saudita, e os super-gestores. Nenhuma dessas categorias faz ou produz nada além de sua riqueza, que é realmente uma super-riqueza que rompeu com a realidade cotidiana do mercado, e que determina como a maioria das pessoas comuns vivem. Pior ainda, eles estão competindo entre si para aumentar a sua riqueza, e o pior de todos os cenários é como super-gestores, cuja renda é baseado efetivamente na ganância, continua dirigindo os seus salários, independentemente da realidade do mercado. Isto é o que aconteceu com os bancos em 2008, por exemplo. "
É esse tipo de pensamento que faz o trabalho de Piketty tão atraente e tão convincente. Ao contrário de muitos economistas ele insiste que o pensamento econômico não pode ser separado da história ou da política; isso é o que dá o seu livro a gama o laureado Nobel americano Paul Krugman descreveu como "épica" e uma "visão abrangente". 
A influência de Piketty de fato está crescendo muito além do pequeno micro-sociedade fechada de economistas acadêmicos. Na França, ele está se tornando amplamente conhecido como um comentarista de assuntos públicos, escrevendo principalmente para Le Monde e Libération , e suas idéias são freqüentemente discutidas por políticos de todos os matizes em programas de assuntos atuais, comoSoir 3 . 
Talvez o mais importante, e excepcionalmente, a sua influência é crescente no mundo da política anglo-americanas (seu livro é, aparentemente, um dos favoritos no círculo interno Miliband) - um lugar tradicionalmente indiferente a professores franceses da economia. Com o aumento da pobreza em todo o mundo, todo mundo está sendo obrigado a ouvir Piketty com grande atenção. Mas, embora o seu diagnóstico seja preciso e convincente, é difícil, quase impossível, imaginar que a cura que ele propõe - imposto e mais imposto - seja implementado em um mundo onde, de Pequim a Moscou ou Washington, o dinheiro e aqueles que querem ter mais que qualquer outra pessoa ainda mandam.
Thomas Piketty estará falando sobre Capital no IPPR, Londres WC2 , em 30 de abril, e no LSE, Londres WC2 , em 16 de Junho

3 comentários:

Anselmo Rocha disse...

Se o capital é um fim em si mesmo, isso não é contraditório?

Eduardo Britto disse...

O que é contraditório!? Ele quis dizer que a única finalidade do capital é acumular mais capital.

Anselmo Rocha disse...

Não concluí o meu raciocínio...o que eu queria dizer é que não diverge muito do que Marx dizia a respeito do natureza do capital